Terra – Formação em Primeiros Socorros: workshop de ativismo climático

cartazclima92015

(O programa completo e as apresentações, aqui.)

“A influência humana no sistema climático é clara e as recentes emissões antropogénicas de gases de efeito de estufa são as mais altas da história. As alterações climáticas recentes tiveram um impacto generalizado nos sistemas naturais e humanos.

Os alertas em relação ao sistema climático são inequívocos e, desde os anos 50, muitas das alterações que têm sido observadas não têm precedentes nas décadas ou milénios anteriores. A atmosfera e os oceanos aqueceram, os níveis de neve e de gelo diminuiram, o nível do mar aumentou.”

É assim que começa o último relatório do IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change). E continua:

“A emissão continuada de gases de efeito de estufa causará um aquecimento ainda maior e alterações duradouras em todos os componentes do sistema climático, aumentando também a probabilidade de impactos graves, generalizados e irreversíveis que afectarão as populações e os ecosistemas. Controlar as alterações climáticas implicará reduções substanciais e prolongadas das emissões de gases de efeito de estufa, reduções essas que, combinadas com a adaptação, podem limitar os riscos presentes.”

Não é nada comum aparecerem relatórios científicos com uma linguagem tão forte e franca.

Não há controvérsia absolutamente nenhuma em relação ao que sabemos: as alterações climáticas globais existem, estão a conduzir-nos a um futuro catastrófico com transformações tão abrutas que ainda nem conseguimos encontrar um modelo que as descreva adequadamente, mas que teremos de travar quanto antes para evitar o fim do mundo tal como o conhecemos

Entendamo-nos: a limitação total do aquecimento resultante de indução humana para menos do que os 2ºC dos níveis pré-industriais implica a redução de 40% a 70% das emissões de gases de efeito de estufa até 2050 e para zero até 2100.

Isto não é uma piada.

“A resolução da crise cimática é uma corrida contra-relógio. Nesta luta contra o caos climático, há uma coisa chamada ‘demasiado tarde’.” (May Boeve, 350.org)

Nós temos de agir e temos de agir agora.

Por “nós”, não entendemos, claro, o 1% que contola mais riqueza do que os “restantes” 99%. Entendemos “nós”, os que têm sufrido e sofrerão ainda com as secas, com o aumentar do nível do mar, com a fome, os furacões, os fogos florestais e todos os conflictos sociais resultantes disto tudo.

Em Dezembro de 2015, as Nações Unidas vão ter uma Cimeira do Clima em Paris (COP-21) para finalizar um novo acordo pós-Quioto. Os movimentos ecologistas por todo o mundo estão a criar uma campanha internacional para aproveitar este momento para construir uma alternativa de justiça climática: “Muda o sistema, não o clima!

O “Climáximo” é a nossa proposta de base de lançamento de uma campanha deste género em Portugal.

Na “Terra – Formação em Primeiros Socorros: workshop de ativismo climático” é que formaremos uma equipa de activistas contra as alterações climáticas. A formação incluirá todos os aspectos principais desta área, desde a ciência à história das políticas climáticas, desde as propostas até aos fundamentos do activismo.

10:00 – 11:15 #1 Resumo climático: Ciência e política

11:30 – 12:00 #2 Clima vs. Capitalismo: como distinguir falsas soluções

12:00 – 13:00 #3 Soluções falsas

–-ALMOÇO—

14:30 – 15:30 #4 Soluções certas

16:00 – 17:00 #5 Campanha em Portugal

Não te esqueças de enviar um email para climaximo@riseup.net para te inscreveres.

Advertisements