CETAmon – Ou tratados de comércio livre, ou democracia!

100-cetamonNo dia 27 de outubro, dia em que supostamente deveria ocorrer a cimeira entre a União Europeia e o Canadá, vários ativistas saíram à rua para fazer uma performance onde retratam as ameaças deste tratado.  102     101

Na ação retratámos a perseguição da Comissão Europeia e das empresas multinacionais aos serviços públicos, à proteção ambiental, às pensões e aos direitos laborais.103

O grupo perseguido foi distribuindo flyers sobre os tratados às pessoas que passavam na rua, ao mesmo tempo que fugia da caça que a Comissão Europeia e as empresas multinacionais lhes estavam a fazer. A dupla que ameaça o planeta e as pessoas, apesar de estar em minoria, pretendeu sempre levar a assinatura do CETA para a frente, porém os serviços públicos, a proteção ambiental, as pensões e os direitos laborais, juntaram-se e conseguiram derrotar e caçar a Comissão Europeia e as empresas multinacionais. 104

Pretendemos mostrar que apesar do CETA vir a ser assinado, não passa de um papel e que nós, todos junt@s, podemos e devemos parar estes tratados que só beneficiam as grandes empresas e só protegem os seus lucros abismais.105106

Os parlamentos nacionais ainda nem se pronunciaram sobre estes tratados e antes sequer de se pronunciarem, nós Cidadãos temos que ter uma palavra a dizer.

Vamos, junt@s, dizer NÃO a estes tratados negociados pelas empresas multinacionais, para as empresas multinacionais!107

Today, on October 27th, while negotiators negotiate whether to sign CETA, activists in Lisbon took the streets to show the dangers posed by such agreements. In this performative action “CETAmon”, the European Commission allied with multinational corporations to catch them all: public services, environmental protection, pension funds and labor rights. The commons distributed flyers while fleeing, to invite the public join their side against corporate takeover of politics and the planet. Finally, the joined forces and fought back, kicking out the lobbyists.

In COP-21, the rulers signed a paper called the Paris agreement. Then they went home and launched the Dakota Access Pipeline, new fracking projects, and new deep off-shore concessions. What was on paper, remained on paper, while temperatures and emissions continued rising.

In the same spirit, we believe that it is possible to stop CETA even if it is signed – given that we unite to build up a collective will against it. We say no to agreements negotiated by the corporations, for the corporations.

Advertisements