Klimacamp Viena: Movimento europeu pela justiça climática

Climáximo esteve no acampamento pelo clima (Klimacamp) em Viena. Participámos nas oficinas, ações e também na reunião da rede Climate Justice Action.

Climaximo in Klimacamp, Viena from Climaximo on Vimeo.

Klimacamp 2018//embedr.flickr.com/assets/client-code.js

Climate Games 2018//embedr.flickr.com/assets/client-code.js


Queremos partilhar com tod@s @s ativistas os planos de ação para os próximos meses e anos. (Vamos também discutir um pouco sobre como #pararofuro. 😉 )

15 de junho, sexta-feira, às 20h00

GAIA-Lisboa: Rua da Regueira 40, Alfama, Lisboa

NB: Isto também é o jantar de despedida da Olha, a melhor ativista ucraniana em Lisboa. 🙂

13 picknick

***

O que é o Jantar Popular?
– Um Jantar comunitário vegano, biológico e LIVRE DE OGMs que se realiza no GAIA, Rua da Regueira, n 40, em Alfama.
– Uma iniciativa inteiramente auto-gerida por voluntários.
– Um jantar em que podes colaborar e aprender a cozinhar vegano! Para cozinhar e montar a sala basta aparecer a partir das 18h. Jantar “servido” a partir das 20h.
– Um projecto autónomo e auto-sustentável. As receitas do Jantar Popular representam o fundo de maneio do GAIA que mantém assim a sua autonomia.
– Um jantar onde ninguém fica sem comer por não ter moedas e onde quem ajuda não paga. O preço nunca é mais de 3 pirolitos.
– Um exemplo de consumo responsável, com ingredientes que respeitam o ambiente, a economia local e os animais.
– Uma oportunidade para criar redes, trocar conhecimentos e pensar criticamente.

Wrap Up Report: The Art of Washing Off Oil, an action in three acts

Climate Games, Round#1, November 30th, Lisbon.
The Art of Dirt / Suj’Artesujarte image smallest

Here is the deal: Calouste Gulbenkian Foundation owns 100% of the Partex Oil and Gas company, one of biggest fossil fuel multinationals in Portugal, with €2,8 billion of capital funds, of which around €800 millions come directly from fossil fuel sale. All the profit of Partex goes directly to the Foundation, which in turn uses it for cultural, artistic, environmental and development projects that serve to cover the underlying destructive activities.

Neat setup, eh? Suj’Arte / The Art of Dirt team thought so. But it shouldn’t have taken decades to be revealed.

In an action in three acts, they played games in and around Gulbenkian Foundation.

In Act I: Rush to Wash they ran the full distance from Partex to the Foundation with an art flag filthy of oil. When they got to the Foundation, the flag was completely clean… just like Gulbenkian’s activities.

In Act II: Dirty Art, they prepared a lovely statue (of an angel!), filled it with oil, and delivered it as a prize. Until now, the oil fill of the Foundation’s activities seemed to have been hidden well, but would the angel statue also resist the temptation of spilling what it hides?

And finally in Act III: The Cleaning Fest, they called for an image cleaning festival where they literally tried to wash the oil off pieces of art. It wasn’t enough, but they did their best.

Suj’arte

sujarte image smallestNuma semana em que são esperadas várias acções de protesto no âmbito das alterações climáticas e da justiça ambiental, o colectivo Suj’Arte organizou o festival a “Arte de Limpar o Petróleo”. O festival decorreu nos dias 29 e 30 de Novembro e consistiu numa série de acções de limpeza da imagem da única proprietária do grupo Partex Oil and Gas (Holdings) Corporation – a Fundação Calouste Gulbenkian.

O festival comportou a realização de três actos simbólicos:

Acto I – Corrida pela lavagem

A Gulbenkian e a Partex são faces da mesma moeda! Os lucros provenientes das actividades de exploração de gás e petróleo da Partex são entregues à Fundação e, posteriormente, usados no financiamento das suas actividades e projectos. No dia 29 de Novembro estreitámos a distância entre a Partex e a Gulbenkian e percorremos a rua numa acção de transformação da bandeira filantropa e artística da Fundação.

Acto II – Arte suja

A Fundação Gulbenkian detém 100% do grupo Partex Oil and Gas. Em 2014, tinha um fundo de capital da Fundação que ultrapassava os 2 834 milhões de euros, sendo que cerca 852.1 milhões de euros eram activos petrolíferos. Os lucros provenientes das actividades do grupo PARTEX Petróleo e Gás Grupo Partex são entregues para o seu único accionista, a Fundação Calouste Gulbenkian, e usados para financiar projectos de desenvolvimento comunitário, culturais, artísticos e ambientais, que apenas servem de fachada para práticas de destruição ambiental. Precisamos de reconhecer as instituições que se preocupam em promover atitudes, comportamentos e investimentos que reduzam a pegada ecológica. A Gulbenkian não é uma dessas instituições, e por isso recebeu um prémio à sua medida. Entregámos uma estatueta cheia de petróleo.

Acto III – Lavadeir@s em acção

Numa altura em que são conhecidos os efeitos nocivos da exploração de combustíveis fósseis (ex: contaminação dos aquíferos; perturbação dos animais marinhos; poluição atmosférica através da libertação de gases de efeito de estufa, etc.) foram cedidas várias concessões de direitos de prospecção, pesquisa, desenvolvimento e produção de petróleo e gás natural em Portugal. Vári@s lavadeir@s foram contratad@s para fazer uma representação pública das práticas diárias da Gulbenkian na lavagem das peças de arte sempre tão sujas de petróleo.

Queremos que a nossa arte, cultura, educação e investigação sejam 100% limpas de combustíveis fósseis e livres de qualquer tipo de opressão e exploração dos recursos.

Suj’Arte
Climate Games
Lisboa, 1 de Dezembro, 2015

Posição do Climáximo sobre COP-21

Em Dezembro de 2015 vai realizar-se a Conferência do Clima em Paris (COP-21).

Revemo-nos nas palavras do Climate Space:

“Sabemos o que irá sair de Paris e não será a mudança de sistema que queremos, mas sim mais poder corporativo, mais mercados de carbono e mais soluções tecnológicas perigosas que levarão à financeirização da natureza. Sabemos o que irá sair de Paris, e que não significará deixar os combustíveis fósseis no subsolo, mas antes conceitos ambíguos, como “zero emissões líquidas”, que abrirão a porta à geoengenharia.”

Não há maneira de escaparmos ao que já é uma realidade: temos de reduzir as emissões de gases de efeito de estufa em 80% ao nível mundial para evitar um aumento de 2ºC da temperatura global, o que alteraria drasticamente as condições de habitabilidade para milhões de pessoas em todo o planeta.climatespacephoto

Tomando parte na Climate Justice Action, pretendemos “usar as negociações da COP em Paris como um momento de luta coletiva pelo clima e a justiça social:

  • Queremos democratizar o discurso climático e alargar o foco, de mudanças climáticas para uma mudança de sistema.
  • Com atos de desobediência criativa vamos enfatizar o potencial real de alternativas e confrontar o sistema falhado do capitalismo.
  • Esta será uma celebração de unidade na diversidade.
  • Paris será uma experiência poderosa e revitalizante que continuará a construir o nosso movimento e a amplificar as vozes das comunidades afetadas, em 2015 e para além dele.”

Vamos mobilizar-nos em Portugal e no mundo inteiro, seguindo o calendário de mobilização internacional.

Na COP-21, vamos participar nos Jogos do Clima (Climate Games):

“Em Dezembro de 2015, o poder corporativo vai apostar numa jogada de alto risco nas negociações do clima da ONU. Os grupos de pressão da indústria fóssil e os agentes comerciais de falsas soluções conspiram para dominar a cimeira. Mas desta vez será diferente: os movimentos globais de Blockadia vão convergir para obstruir as suas atividades corrosivas, interceptar a sua influência e removê-los da política.quitfossil

Prepara-te para o maior jogo de aventura de ação direta de desobediência civil não violenta do mundo nas ruas de Paris, no ciberespaço e mais além.”

Vem às nossas reuniões, envia-nos um mail, contacta-nos no Facebook, participa no movimento internacional para a justiça social e climática.

Climáximo COP-21 Perspective

In December 2015 the UN Climate Summit COP-21 will take place in Paris.

Together with Climate Space,

“We know what is going to come out of Paris and it is not going to be the system change that we want but more corporate power, more carbon markets, and more dangerous techno fixes that will lead to the financialization of nature. We know what is going to come out of Paris and it will not be about leaving fossil fuels under the ground, but will be about ambiguous concepts like “net zero emissions” that will open the door to geo-engineering.”

There is no way to ignore what is already a reality: we have to reduce global greenhouse gas emissions by 80% to avoid a temperature rise of 2°C which would drastically worsen the planetary living conditions for millions of people and all living beings on Earth.climatespacephoto

As part of Climate Justice Action, we aim “to use the COP talks in Paris as a moment to collectively fight for climate and social justice:

  • We want to democratise the climate discourse and expand the focus from climate change to system change.
  • With acts of creative disobedience we will emphasise the real potential of alternatives and confront the broken system of capitalism.
  • This will be a celebration of unity in diversity.
  • Paris will be an empowering, galvanising experience which continues to build our movement and amplify the voices to affected communities, through and beyond 2015.”

We will mobilize in Portugal and around the world, following the international mobilization calendar.

At the COP-21, we will participate in the Climate Games:

“In December 2015, corporate power will play a high-risk gamble with the UN climate talks. Fossil fuel lobbyists and the peddlers of false solutions are already conspiring to overwhelm the COP21 summit in Paris. But it won’t be business-as-usual this time: the global Blockadia movements will converge to obstruct their corrosive activities, intercept their influence, and chase them out of politics.quitfossil

Get ready for the world’s largest non-violent civil disobedience direct action adventure game in the streets of Paris, in cyberspace and beyond.”

Come to our meetings, send us an email, reach us via Facebook, take part in the international movement for social and climate justice.

PS: We are also planning to go to Paris for the Red Lines action on December 12th. Keep tuned!