Confêrencia Internacional Antinuclear – MIA

mia

Programa:

10h00

– Abertura e saudação à Conferência / Apertura de la Conferencia y saluto por Helena Roseta ( Presidente da Assembleia Municipal de Lisboa)

– Situação do nuclear na Pen. Ibérica / Estatus nuclear de la Pen. Ibérica por Francisco Castejón ( Físco Nuclear, Coordenador do MIA)

– Situação do Nuclear em França / Estatus nuclear de la Francia por Henri Baguenier ( ex- Prof. Univ. de Economia e Politica de Energia)

– Os territórios / Los Territorios por Paca Blanco ( Dirigente histórica do MIA e dos Ecologistas in Accion)

– A acção do Parlamento Português e prespectivas / La acción del Parlamento Portugués y prespectivas por Pedro Soares ( Presidente da Comissão de Ambiente da Assemb. da República)

moderado por António Eloy ( Coordenador do MIA em Portugal)

Almoço / Almuerzo

14h30 – Plenário / Plenario

18h00 – Encerramento / Cierre por Francisco Castejón ( Físco Nuclear, Coordenador do MIA)

19h15 – Vigília em frente ao Consulado de Espanha com momento musical / Vigilia ao Consulado de Espana com el momento musical

February 04, 2017
Fábrica Braço de Prata
Rua da Fábrica de Material de Guerra, 1
Lisboa, Portugal 1950-128

14OUT: Gás natural: Transição para onde? jantar popular & conversa

Apresentação da conversa aqui:
Gás natural: Transição para as alterações climáticas?
A Europa prepara a transição energética investindo em gás natural, sob pretexto de ser menos intensivo nas emissões de carbono. Seguindo a tendência do shale gas dos Estados Unidos, a aposta no reforço da rede de transporte (gasodutos e liquefação), nas centrais de produção elétrica, entre outras adaptações do consumo poderá ter implicações no investimento em energias renováveis e na soberania energética.fossil-fuel-web

A competição com o gás, cada vez mais barato e aceite como solução limpa pode vir a bloquear a única resposta para conter as alterações climáticas, já que este combustível fóssil é igualmente responsável por emissões de gases de efeito de estufa: dióxido de carbono e sobretudo metano, desde a sua produção por fracking até ao seu consumo.

Portugal está também nesta trajetória com o possível aumento da rede de gasodutos, do número de centrais a gás, com a expansão do porto de Sines para o transporte internacional e com os novos projetos de exploração de combustíveis fósseis no país.

Dois ativistas do Climáximo participaram na conferência “Fossil fuel lock-in: why gas is a false solution” e vão partilhar as suas experiências neste jantar popular. Vem jantar e conversar connosco.


***

O que é o Jantar Popular?
– Um Jantar comunitário vegano, biológico e LIVRE DE OGMs que se realiza no GAIA, Rua da Regueira, n 40, em Alfama.
– Uma iniciativa inteiramente auto-gerida por voluntários.
– Um jantar em que podes colaborar! Para cozinhar e montar a sala basta aparecer a partir das 18h. Jantar “servido” a partir das 20h.
– Um projecto autónomo e auto-sustentável. As receitas do Jantar Popular representam o fundo de maneio do GAIA que mantém assim a sua autonomia.
– Um jantar onde ninguém fica sem comer por não ter moedas e onde quem ajuda não paga. O preço nunca é mais de 3 pirolitos.
– Um exemplo de consumo responsável, com ingredientes que respeitam o ambiente, a economia local e os animais.
– Uma oportunidade para criar redes, trocar conhecimentos e pensar criticamente.

 

***

O evento no Facebook, aqui.