Climáximo na Escola Secundária Damião de Goes

Ontem (22 de outubro), fomos convidados a falar aos alunos da Escola Secundária Damião de Goes em Alenquer, conversamos e escutamos dos próprios alunos as Causas e as Soluções sobre o clima no Mundo.

Foi super produtivo, os alunos interagiram, deram suas opiniões e mostraram-se estar conscientes das Causas e dispostos a participar das Soluções.

Agradecemos muito o convite dos alunos e o tempo destinado a nós. 🌱💚

alenquer

Advertisements

Jantar e conversa: Block Around the Clock contra fracking

Climáximo esteve no protesto contra o fracking em Lancashire organizado por Reclaim the Power.

Queremos partilhar com tod@s @s ativistas esta experiência e os planos de ação para os próximos meses e anos. Vamos também discutir um pouco sobre como #pararofuro e os próximos eventos para Setembro.

NB: também é o jantar de despedida da Mathilde. 🙂

8 de agosto, quarta-feira, 18h00

GAIA-Lisboa: Rua da Regueira 40, Alfama

block around.jpg

***

O que é o Jantar Popular?

– Um Jantar comunitário vegano, biológico e LIVRE DE OGMs que se realiza no GAIA, Rua da Regueira, n 40, em Alfama.
– Uma iniciativa inteiramente auto-gerida por voluntários.
– Um jantar em que podes colaborar e aprender a cozinhar vegano! Para cozinhar e montar a sala basta aparecer a partir das 18h. Jantar “servido” a partir das 20h.
– Um projecto autónomo e auto-sustentável. As receitas do Jantar Popular representam o fundo de maneio do GAIA que mantém assim a sua autonomia.
– Um jantar onde ninguém fica sem comer por não ter moedas e onde quem ajuda não paga. O preço nunca é mais de 3 pirolitos.
– Um exemplo de consumo responsável, com ingredientes que respeitam o ambiente, a economia local e os animais.
– Uma oportunidade para criar redes, trocar conhecimentos e pensar criticamente.

Convívio: a importância da Justiça Climática (FLUL)

Esta terça-feira, dia 10 de Abril de 2018, o Núcleo do Ambiente da FLUL vai dinamizar um convívio com o Climáximo e a Linha Vermelha para conversarmos sobre as alterações climáticas e a importância da justiça climática.

Estarão presentes dois convidados especiais para esta enriquecedora partilha de conhecimento e experiência: Sinan Eden, activista do Climáximo e João Costa, dinamizador da Campanha Linha Vermelha.

Este convívio de aprendizagem informal terá lugar no espaço junto à antiga livraria da FLUL, no corredor do Letras Bar/Cola (local sujeito a confirmação segunda-feira) entre as 16h30 e as 19h.

Durante esta sessão, serão abordados, entre outros, os seguintes tópicos:

  •  Ciência climática simplificada: qual o estado do planeta Terra? Porque se diz que estamos numa “crise ambiental”?
  • O Acordo de Paris (COP 21, 2015 : Compromisso internacional discutido entre 195 países com o objetivo de minimizar as consequências do aquecimento global): do papel à efetivação – O que está a falhar?
  • Capitalismo e monopólio industrial: um atentado à justiça social e ambiental
  • O que é a justiça climática?
  • Soluções e alternativas: lutar por um futuro verde, limpo e justo
  • Activismo climático: Movimentos de protesto em Portugal e no Mundo; como participar ativamente?

Tudo isto, enquanto TRICOTAMOS uma LINHA VERMELHA gigante para marcar o limite dos 2ºC de aquecimento global que não podemos ultrapassar. Não sabes tricotar? Mais uma coisa para aprendermos juntos! Podes sempre participar no convívio, quer queiras/saibas ou não tricotar!

Junta-te a nós! Contamos contigo 😊

30265158_1921342361511024_1807817108583612416_n

Notícias do fim da linha

Feedback da Ende Gelände e da COP-23

Os políticos estão a negociar há 23 anos, mas as emissões continuam a aumentar. A Europa apresenta-se como líder da acção climática enquanto continua extrair carvão e a construir novas infraestruturas de gás natural.

Antes da COP-23 em Bona, entre 3 e 5 de novembro, vamos mostrar onde é que se devem combater as alterações climáticas e como. Vamos à mina de carvão da Renânia (entre Colónia, Bona e Aachen), a empresa com mais emissões de CO2 na Europa, e vamos ocupa-la.

Haverá uma cimeira alternativa (People’s Climate Summit) nos dias 6 e 7 de novembro, em que vamos participar também.

O Climáximo vai mobilizar, pela primeira vez, um grupo de ativistas portugueses para a Ende Gelände, que irá comunicar os desenvolvimentos da ação em tempo real.

Depois de voltar, organizamos este evento para dar feedback e para conversarmos sobre o que podemos fazer cá.


10 de novembro, 21h00

Mob (Rua dos Anjos 12F)


Mais informações sobre Ende Gelände, aqui.

ende gelande4

Tric-a-thon – Vem tricotar contra os furos!

Programa :
16h – Conhecer a Campanha Linha Vermelha e conhecer o Climáximo – Alterações climáticas e activismo climático
17h – Tric a Thon – Tricotar contra os furos (Quem não souber tricotar ou “crochetar” pode aprender)
20h – Pausa para comer e trocar ideias
20h40 – Vídeos sobre o assunto e conversa

~~

Felizmente existem pessoas na Terra que gostam de sonhar. Outras que são loucas. Outras que juntam isto tudo e ainda metem mãos à obra. Algumas destas pessoas são a Campanha Linha Vermelha. Eles querem tricotar 52Km para parar os contratos que existem neste momento para furar a nossa a costa para procurar petróleo e gás. E precisam da vossa ajuda!

Sim, é que existem nove contratos neste momento de grandes corporações, nacionais e internacionais, que esperam aumentar os seus lucros. Ouvimos também dizer que esperam ainda encontrar a Atlântida. E o D. Sebastião.

~~

A “Linha Vermelha” é uma campanha nacional desenvolvida pela Academia Cidadã | Citizenship Academy e pelo Climáximo para informar os portugueses para os perigos da exploração petrolífera e de gás no território português, assim como para as alterações climáticas. A “Linha Vermelha” quer mobilizar os portugueses para exigirem ao Governo português o cancelamento imediato destas concessões.

A campanha está a decorrer desde início de 2017 e estamos neste momento a receber linhas vermelhas de todo o país, que representam os limites dum planeta justo e habitável, como por exemplo os 2ºC de aquecimento ou os novos furos. Queremos juntar famílias, idosos, artistas, pessoal do DYI, hipsters, crianças, cães e gatos. Queremos gente do norte, do centro, do interior e das ilhas.

Vamos estar nos BASE dos Engenheiros do Acaso em Lisboa a tricotar, tecer, fazer crochet, num COUNTDOWN crucial contra a calamidade ambiental. Vamos tricotar, ensiná-lo também, ver uns filmes e ainda debater a transição para um futuro mais sustentável!

Mais informação sobre o evento na Agenda pelo Clima.

 

Jantar Benefit e Conversa: Desobediência Civil pela Justiça Climática

Flood-Wall-Street-Polar-Bear-and-Planeteers-A-Jones-CC-ND-Flickr-800x531

Os factos são simples: Para nos manter num planeta minimamente habitável, temos que limitar o aquecimento global a 2ºC em relação aos níveis pré-industriais.

Num contexto mentalmente são, estaríamos neste momento a discutir os detalhes duma transição energética justa, racionalizando e planeando a produção, a distribuição e o consumo para o benefício das comunidades e dos trabalhadores.

No contexto insano capitalista, andamos ainda a negociar contratos de petróleo e gás, para aumentar ainda mais as emissões.

Neste “realismo político” há um défice de realismo físico e químico. É por isso que nós, as pessoas normais, temos que assumir a responsabilidade e forçar uma mudança radical e sistémica.

Neste jantar benefit, queremos servir (além de comida boa) desobediência civil e ação direta como ferramentas do ativismo pela justiça climática. Vamos ver alguns vídeos das ações (de Portugal e do resto do mundo) e conversar. 🙂

Aparece! 🙂

Dia 16 de junho, sexta-feira
RDA69, Regueirão dos Anjos 69, Lisboa

Ajudar na cozinha: 17h
Jantar: 20h
Conversa: 21h

Standing Rock: STOP Oleodutos, STOP Fósseis #nodapl

8 de dezembro, quinta-feira, 21h30
Mob – espaço associativo: Rua dos Anjos, 12F, Lisboa

dapl

No passado domingo celebrou-se, um pouco por todo o Mundo, a vitória dos Sioux que desde Abril passado estão no Dakota do Norte a tentar travar o oleoduto Dakota Access Pipeline, mas está longe acabada a luta.

Vem conhecer esta luta, aprender com ela, solidarizar-te e preparar a resistência aos projectos fósseis aqui mesmo em Portugal.

A decisão do Corpo de Engenheiros do Exército dos Estados Unidos de não autorizar a próxima fase de construção, e da procura de rotas alternativas foi lida pela imprensa como uma vitória, mas os manifestantes não desarmaram e pretendem continuar a lutar até travar definitivamente o oleoduto. Obama lavou as suas mãos e a próxima decisão será tomada já em Janeiro, depois da tomada de posse de Donald Trump (que tem 500 milhões de dólares investidos no projecto). As empresas privadas responsáveis pela construção do pipeline já garantiram que estão “totalmente empenhadas em assegurar que este projecto vital seja concluído e que esperam completar a construção do oleoduto sem quaisquer mudanças de itinerário”.

Evento na Agenda pelo Clima aqui.

COP 22 - Marrocos

Mais uma cimeira, e então?!

No dia 21 de novembro às 21h30 no Mob (Intendente), no rescaldo de mais uma cimeira do clima (desta vez em Marrocos) vamos discutir o progresso (ou não) das negociações!

Um dos ativistas do Climáximo esteve em Marrakech na COP-22 e vai contar-nos tudo o que se passou por lá. Desde o impacto que a eleição de um troll da internet para presidente dos EUA teve na cimeira, até aos progressos efetuados em termos de Justiça Climática!

Com a entrada em vigor do Acordo de Paris este mês, com a eleição de um negacionista para a Casa Branca, com 2016 a bater novamente os recordes de temperatura de 2015, é mais urgente do que nunca perceber o que os governos andam a “negociar” em nosso nome, e perceber como podemos em Portugal contribuir para a luta por um futuro melhor!

Aparece e traz um(a) amig@ também 🙂

14OUT: Gás natural: Transição para onde? jantar popular & conversa

Apresentação da conversa aqui:
Gás natural: Transição para as alterações climáticas?
A Europa prepara a transição energética investindo em gás natural, sob pretexto de ser menos intensivo nas emissões de carbono. Seguindo a tendência do shale gas dos Estados Unidos, a aposta no reforço da rede de transporte (gasodutos e liquefação), nas centrais de produção elétrica, entre outras adaptações do consumo poderá ter implicações no investimento em energias renováveis e na soberania energética.fossil-fuel-web

A competição com o gás, cada vez mais barato e aceite como solução limpa pode vir a bloquear a única resposta para conter as alterações climáticas, já que este combustível fóssil é igualmente responsável por emissões de gases de efeito de estufa: dióxido de carbono e sobretudo metano, desde a sua produção por fracking até ao seu consumo.

Portugal está também nesta trajetória com o possível aumento da rede de gasodutos, do número de centrais a gás, com a expansão do porto de Sines para o transporte internacional e com os novos projetos de exploração de combustíveis fósseis no país.

Dois ativistas do Climáximo participaram na conferência “Fossil fuel lock-in: why gas is a false solution” e vão partilhar as suas experiências neste jantar popular. Vem jantar e conversar connosco.


***

O que é o Jantar Popular?
– Um Jantar comunitário vegano, biológico e LIVRE DE OGMs que se realiza no GAIA, Rua da Regueira, n 40, em Alfama.
– Uma iniciativa inteiramente auto-gerida por voluntários.
– Um jantar em que podes colaborar! Para cozinhar e montar a sala basta aparecer a partir das 18h. Jantar “servido” a partir das 20h.
– Um projecto autónomo e auto-sustentável. As receitas do Jantar Popular representam o fundo de maneio do GAIA que mantém assim a sua autonomia.
– Um jantar onde ninguém fica sem comer por não ter moedas e onde quem ajuda não paga. O preço nunca é mais de 3 pirolitos.
– Um exemplo de consumo responsável, com ingredientes que respeitam o ambiente, a economia local e os animais.
– Uma oportunidade para criar redes, trocar conhecimentos e pensar criticamente.

 

***

O evento no Facebook, aqui.

Debates com Ciência: Alterações Climáticas | org. IDL e Mob

mob

Conversa com Pedro Miranda (IDL – Instituto Dom Luiz) e Daniela Fialho (Climáximo).

dia 29 de março, às 18h30
Mob-espaço associativo: Rua dos Anjos 12F, Lisboa

O clima está a mudar muito rapidamente: aquecimento global, subida do nível do mar, fenómenos extremos como secas ou cheias. Sabemos que estas alterações, cuja magnitude e consequências não são totalmente previsíveis, não são “naturais” e se devem à acção humana. É um desafio de escala planetária, cujas respostas são complexas e têm esbarrado na diplomacia e nos vários interesses em jogo. A justiça climática é, cada vez mais, um objectivo reclamado pelo movimento. Um tema que diz respeito a toda a gente, em que um pouco de ciência pode ajudar.

Neste ciclo de conversas, organizadas em parceria entre o MOB e o Instituto Dom Luiz, queremos juntar e abrir perspectivas. Debatemos temas essenciais para a vida colectiva, que tantas vezes parecem demasiado complexos ou reservados a especialistas. Debates com ciência, mas que mobilizam várias razões e em que toda a gente é chamada a participar. Sempre na última 3ª feira do mês, ao final da tarde.

O evento no Facebook, aqui.

idl mob2

 idl mob1