8 setembro: Marcha Mundial do Clima 2018

Wrap-up: Marcha Mundial do Clima

Resumo das marchas em Lisboa, Porto e Faro, vídeo, fotos e notícias no Resumo do Dia.


Vais marchar este sábado? Algumas dicas.

Climáximo convoca para a Marcha Mundial do Clima 2018!

COMUNICADO: Portugal junta-se à Marcha Mundial do Clima em três cidades no dia 8 de setembro *** Marchas em Lisboa, Porto e Faro exigem que não se inicie a exploração de combustíveis fósseis e se faça uma transição justa e rápida para energias renováveis. ***

4 de setembro, Porto, 19h00: Artes e Cultura pelo Clima

8 de setembro, Lisboa, 17h00: Trabalhadores pela justiça climática

8 de setembro, Lisboa, 21h00: Política climática de bases: conversa sobre a campanha Empregos para o Clima em Portugal


Parar o petróleo! Pelo clima, justiça e emprego!

No dia 8 de setembro, vamos juntar-nos à mobilização internacional “Rise for Climate” para exigir um mundo livre dos combustíveis fósseis, em que as pessoas e a justiça social estejam acima dos lucros.

A verdadeira liderança climática nasce a partir das bases. Isto significa ver o poder nas mãos das pessoas, em vez das corporações; significa uma vida melhor para quem trabalha e justiça para as populações mais afetadas pelos impactos das alterações climáticas e pelas atividades das petrolíferas.

Vamos marchar para exigir:
– uma transição justa e rápida para as energias renováveis;
– zero infraestruturas de combustíveis fósseis novas: nem em Aljezur, nem em Aljubarrota, nem em lugar nenhum.

LISBOA: Cais do Sodré, 17h00

PORTO: Praça da Liberdade, 17h00

FARO: Largo da Sé, 17h00

Mais informações: http://www.salvaroclima.pt
Mobilização internacional: http://www.riseforclimate.org

Advertisements

VÍDEO: Consulta Pública Internacional

Consulta Pública Internacional contra o furo de petróleo em Aljezur

Lena da Áustria, Paola da Itália, Ezgi da Turquia e Oleg da Ucrânia explicam porque as suas lutas locais pela justiça climática são também lutas para parar o furo de Aljezur.

Consulta Pública Internacional sobre o Furo de Aljezur from Climaximo on Vimeo.

 

*

Impactos dos projetos de combustíveis fósseis não são só locais.

Para travar as alterações climáticas temos que deixar no mínimo 80% das reservas conhecidas dos combustíveis fósseis no solo.

Mais infraestruturas, mais furos e mais investimento nos hidrocarbonetos são a receita certa para caos climático. Isto significa fogos florestais na Indonésia e no centro de Portugal, tempestades mais fortes nas Filipinas, subida do nível do mar e desaparecimento das cidades inteiras em Bangladeche e na costa portuguesa, secas crónicas na África e no Alentejo, e imigrantes climáticos e conflitos sociais por todo o mundo.

Os impactos das alterações climáticas são globais. Todas as comunidades afetadas têm palavra para dizer sobre os “impactos ambientais” dum novo projeto petroleiro.

Sabemos que o governo e as corporações petrolíferas não querem ouvir aos autarcas, às populações locais e às organizações da sociedade civil, porque ouvir não dá dinheiro.

Mas nós somos muito mais que eles acham e estamos a lutar pela justiça climática por todo o mundo. A única hipótese que a humanidade tem para se manter num planeta habitável é nós ganharmos.

Nas lutas por uma transição energética na Ucrânia, contra a terceira pista do aeroporto da Viena, contra o gigante gasoduto entre Azerbaijão e Itália, contra os mega projetos em Istambul, e contra o furo de Aljezur, estamos a lutar pela mesma causa.

Em solidariedade com tod@s os guerreir@s do clima, temos que parar o furo.

consulta publica internacional

Com que então queres ajudar a financiar os movimentos globais pela justiça climática?

Dá o teu donativo onde ele faça a diferença

Sabemos que de vez em quando te questionas sobre se / a quem dar um donativo. Por isso preparámos para ti uma versão portuguesa deste artigo, para te ajudar a decidir: So You Want to Donate to the Global Movements for Climate Justice?

Se estás a ler isto, é porque sobreviveste ao bombardeio anual de pedidos de ONGs como a Avaaz, a Greenpeace, a WWF, etc., que apanharam algures o teu e-mail e te contactam periodicamente em busca de donativos. Talvez já tenhas doado, ou talvez tenhas resistido, mas em qualquer caso provavelmente questionaste-te: será que o meu dinheiro faz alguma diferença? Que impacto terá ele no mundo?

1 cnnSawzXg5L_Qb9-2KvVdQ

Acontece que muitas das mais sólidas ​​(e bem financiadas) ONGs não oferecem grandes resultados comparado com as doações que recebem. A perceção geral do papel da sociedade civil na mudança social tem-se alterado (pelo menos) ligeiramente, e é agora comum ouvir-se que são os grupos de base e comunidades locais que devem ser apoiados, em lugar das ONGs estabelecidas. Não só por ser essa a escolha certa moralmente, mas também por ser a melhor estratégia. Mas mesmo quando se usa termos como “grupos de base” ou “comunidades locais”, pela natureza fundamentalmente Euro- e Americo-cêntrica da internet e do movimento climático, acabam por ser sobretudo os grupos e comunidades no mundo desenvolvido a ser financiados. Isto tem como resultado, naturalmente, que o movimento climático reflita as preocupações, prioridades e estratégias não dos movimentos e defensores ambientais que estão na linha da frente do combate aos crimes ambientais – mas sim dos financiadores do Norte Global e da classe socioeconómica que representam. Como Cory Morningstar questiona: “Desde quando é que entidades poderosas vão investir em atividades que prejudiquem a sua capacidade de manter poder, privilégio e riqueza?”

No livro fundamental “O preço da ação climática” (The Price of Climate Action), Edouard Morena explora como um punhado de Fundações de orientação ideológica neoliberal ajudou a estabelecer e orientar o regime climático internacional e, em particular, o Acordo de Paris de 2015. Ao olhar para as origens da filantropia climática internacional e sua evolução nas últimas três décadas, o autor examina o papel das Fundações filantrópicas no debate climático internacional.

Esta é apenas mais uma forma de colonialismo, e aliás uma maneira de o capitalismo se perpetuar, oferecendo a aparência de mudança sem resolver os desequilíbrios fundamentais de poder que resultam em tamanha injustiça.

Esta crítica ao modelo das ONGs e a sua relação com as Fundações de elite poderia ser assunto para uma série de artigos. Mas a nossa intenção aqui não é entrar nessas águas turbulentas; mas sim oferecer-te a ti, car@ leitor(a), algumas sugestões sobre os grupos heróicos em redor do mundo que achamos serem dignos do teu donativo. Por isso traduzimos para ti esta lista de organizações (compilada no artigo original), a maioria delas no Sul Global, que estão a fazer um trabalho importante e deveriam ser mais apoiadas. Nem todas têm meios de pagamento massificados como o Paypal, mas para cada uma incluímos a informação de contacto.

África

Centro de Informação e Desenvolvimento Alternativo, África do Sul
(Alternative Information and Development Centre)
O projeto One Million Climate Jobs do Centro conduz pesquisas importantes sobre como alcançar uma Transição Justa, longe da economia de combustíveis fósseis.
Mais informações: http://aidc.org.za/programmes/million-climate-jobs-campaign/about/

Organização de Desenvolvimento Pastoralista da Terra Árida, Etiópia
(Arid Land Pastoralist Development Organization (ALPDO))
Estes grupos de pastores uniram-se numa ONG indígena formalmente reconhecida para dar resposta a problemas de segurança alimentar, constrangimentos e alterações climáticas no sul da Etiópia. Eles empreendem projetos de gestão de risco de desastres que têm um impacto significativo no trabalho autónomo para as comunidades pastoris locais de Nyangatom e Dassanach. O objetivo deles é desenvolver atividades integradas de desenvolvimento que gradualmente aliviem as limitações mais sérias ao desenvolvimento e tragam mudanças positivas à condição socioeconómica das comunidades pastoris e agro-pastoris.
Mais informações: http://www.alpado.org
Contato: Abreham Bengosa, abrahamb@alpado.org

Centro de ação para o desenvolvimento durável das autonomias Pygmées, Camarões
(Centre d’action pour le développement durable des autochtones Pygmées (CADDAP))
Uma organização indígena que trabalha sobre questões de florestas e direitos humanos, muitas vezes em coligação com outros grupos indígenas.
Contato: ongcaddap@yahoo.fr

Centro de Direitos Ambientais, África do Sul
(Centre for Environmental Rights)
Uma organização de advogados ativistas que ajudam comunidades e organizações da sociedade civil na África do Sul a concretizar o seu direito constitucional a um meio ambiente saudável, defendendo e litigando pela justiça ambiental.
Mais informações: https://cer.org.za/
Contato: https://cer.org.za/contact
Doações: https://cer.org.za/donate

Earthlife Africa, África do Sul
Um grupo de justiça ambiental que busca uma vida melhor para todas as pessoas sem explorar outras pessoas ou degradar o meio ambiente, incentivando e apoiando indivíduos, empresas e indústrias para reduzir a poluição, minimizar o desperdício e proteger os recursos naturais.
Mais informações: http://www.earthlife.org.za/
Contato: http://earthlife.org.za/contact/
Doações: https://www.givengain.com/cause/6357/campaigns/15676/

Adaptação Baseada em Ecossistemas para a Assembleia de Segurança Alimentar, Gâmbia
(Ecosystems Based Adaptation for Food Security Assembly)
O primeiro enquadramento abrangente pan-africano e plataforma de implementação é um espaço orientado para soluções e destinado a colmatar lacunas para garantir políticas adequadas para enfrentar os desafios-chave em África: alimentação, insegurança nutricional, pobreza, desemprego, alterações climáticas e degradação. O núcleo da Gâmbia foi lançado em 2016.
Mais informações: http://www.ebafosa.org
Contato: ebafosagambia@gmail.com
Doações:
Nome da Conta: EBAFOSA Gâmbia
Número da conta: 0010014905170101
IBAN: 008201001517010129
SWIFT: ECOCGMGM
Banco: ECOBANK Gambia Limited

GrassrootsAfrica, Gana
Esta é uma organização local de apoio com foco especial em direitos humanos, sociais, género, justiça económica e bem-estar. A organização tem uma visão pan-africanista e trabalha para melhorar a vida dos pobres e desfavorecidos em África, especialmente mulheres e crianças.
Mais informações: grassrootsafricagh.org
Contato: https://grassrootsafricagh.org/contact-us/
Doações: https://grassrootsafricagh.org/donate/

Rede de Informação Indígena, Quénia
(Indigenous Information Network)
O IIN trabalha em questões de direitos para grupos indígenas pastoris e habitantes de florestas no Quénia.
Mais informações: http://indigenous-info-kenya.net/
Contato: http://indigenous-info-kenya.net/contact-us-2/ | iin@indigenous-info-kenya.net

Comité de Coordenação dos Povos Indígenas da África
(Indigenous Peoples of Africa Co-ordinating Committee)
Esta rede representa 135 organizações de povos indígenas em 20 países africanos e visa promover os direitos humanos dos povos indígenas, a igualdade de género e a participação na conservação ambiental.
Mais informações: http://www.ipacc.org.za/en
Contato: ipacc@iafrica.com, hindououmar@gmail.com

Jeune Chrétien en Ação para o Desenvolvimento, Togo
(Jeune Chrétien en Action pour le Développement)
A JCAD dedica-se à prevenção e transformação de conflitos, a uma cultura de paz, à proteção de mulheres e crianças, a luta contra as ISTs, o VIH e a SIDA, e a iniciar programas de desenvolvimento comunitário.
Mais informações: http://jcad.e-monsite.com/
Contato: jcad_ycad@yahoo.fr
Doações:
Nome do banco: ECOBANK
Código Swift: ECOCTGTG
Código do banco: TG055
Número da conta: 7240141420092901
Endereço da agência bancária: Agence Adidogome, BP 3302; LOME TOGO

Oilwatch Africa
A Oilwatch é uma rede de resistência global que trabalha para impedir a expansão de atividades de carvão, petróleo e gás socialmente destrutivas e ambientalmente prejudiciais no mundo, promovendo a construção de um movimento local, nacional e internacionalmente com pessoas e comunidades afetadas e / ou resistindo às atividades de extração de combustíveis fósseis. .
Mais informações: http://oilwatchafrica.org/about-us/ Contato: kwadodzi@yahoo.fr

Aliança Pan-Africana de Justiça Climática
(Pan-African Climate Justice Alliance (PACJA))
PACJA é uma coligação continental de mais de 1000 organizações da sociedade civil e redes de diversas origens na África. Sua missão é desenvolver e promover o desenvolvimento a favor dos pobres e posições baseadas na equidade relevantes para África no diálogo internacional sobre alterações climáticas e processos relacionados.
Mais informações: http://www.pacja.org/index.php/about-us

1 wtCimR1RYL96tfbCo_Vm1g

Centro Integrado Rural para o Empoderamento Comunitário, Libéria
(Rural Integrated Center for Community Empowerment (RICCE))
A RICCE é uma ONG de desenvolvimento que apoia o empoderamento das populações rurais que são desafiadas por desastres, conflitos e coerção para melhorar a sua subsistência através da promoção da segurança alimentar, geração de renda, paridade de género, gestão sustentável de recursos naturais e ambiente saudável em toda a Libéria.
Mais informações: https://www.ricceliberia.org/
Contato: ricce2004@gmail.com
Doações: https://www.globalgiving.org/donate/39014/rural-integrated-center-for-community-empowerment/

Salvar Lamu, Quênia
(Save Lamu)
A campanha luta contra um enorme projeto de carvão e mega-porto através de lobby e advocacia, formações, pesquisa e capacitação na comunidade.
Mais informações: http://www.savelamu.org/
Contato: http://www.savelamu.org/get-involved/contact/

Salve o nosso Deserto iMfolozi, África do Sul
(Save our iMfolozi Wilderness)
A rede-chave que combate o carvão de KwaZulu-Natal da África do Sul em combinação com atividades de conservação (especialmente de rinocerontes brancos) e defesa do clima é o grupo Save our iMfolozi Wilderness.
Mais informações: https://saveourwilderness.org/about/
Doações: https://saveourwilderness.org/action/donations/

Aliança Ambiental Comunitária do Sul de Durban, África do Sul
(South Durban Community Environmental Alliance)
Os principais ativistas anti-petróleo baseados na comunidade da África do Sul estão a travar lutas contra a refinação de petróleo da BP, Shell e Engen e perfuração offshore pela ExxonMobil.
Mais informações: http://sdcea.co.za/
Doações: http://sdcea.co.za/get-involved/

Associação de Desenvolvimento dos Povos do Sul do Omo (SOPDA), Etiópia
(South Omo Peoples’ Development Association (SOPDA))
A SOPDA é uma ONG que trabalha na zona sul da Omo da Etiópia desde 1991 em questões de segurança alimentar, educação, saúde, infraestrutura, conservação da biodiversidade e adaptação às alterações climáticas. Recentemente, a SOPDA também realizou conquistas significativas na conservação ambiental e gestão das alterações climática e diversificação de meios de subsistência para as mulheres pastoras.
Contato: Mamo Mala, jinkasopda@gmail.com | 0467750048/0916856451

Vaal Environmental Justice Alliance (VEJ), África do Sul
A aliança luta contra a maior fonte local de emissões de CO2 do mundo – a central de carvão / gás-para-petróleo da Sasol em Vaal, na África do Sul.
Mais informações: https://www.facebook.com/Vaal-Environmental-Justice-Alliance-VEJA-322703054542182/

Mulheres na mineração, África do Sul
(Women in Mining)
Esta rede africana de justiça climática ecofeminista luta contra o extrativismo em todos os lugares, desde as salas das COPs das Nações Unidas até às minas de carvão do continente.
Mais informações: http://womin.org.za/
Donativos: https://womin.org.za/womin_donate/

Fé Mundial Malauí, Malaui
(World Faith Malawi)
A missão da World Faith é acabar com a violência religiosa e lutar contra as injustiças climáticas. Eles fazem isso mobilizando grupos de jovens religiosamente diversos para abordar os principais projetos de desenvolvimento global, regional, nacional e comunitário, concentrando-se especificamente no empoderamento das mulheres, na justiça climática, na saúde pública e na educação infantil.
Mais informações: http://worldfaith.org/welcome-world-faith-malawi/
Donativos:
Endereço: PO Box 607, Lilongwe, Malawi
Nome da Conta: World Faith Malawi
Nome do Banco: ECO BANK
NUMBER da conta: 0080237002800101
Código Swift: ECOCMWMW

WorldView A Gâmbia, Gâmbia
A principal missão da Worldview é defender melhor proteção ambiental por meio de parcerias com comunidades, líderes e ilustradores de imagens em movimento, realizando pesquisas nas aldeias para avaliar as necessidades locais, promovendo fogões eficientes e organizando seminários de treino e formações sobre agrossilvicultura e plantação de árvores.
Mais informações: http://www.accessgambia.com/biz1/wif-worldview-international-foundation.html Contato: taalaso46@yahoo.com
Donativos:
Nome da conta: Worldview – The Gambia
Número da conta: 201–101594–110
IBAN: 005–201–101594–011090
SWIFT: GTBIGB2L
Banco: Guaranty Trust Bank Gâmbia, Kairaba Avenue, K.S.M.D. Gâmbia

Ásia

Movimento dos povos asiáticos sobre a dívida e o desenvolvimento
(Asian People’s Movement on Debt & Development)
O APMDD é uma aliança regional de movimentos populares, organizações comunitárias, coligações, ONGs e redes que acreditam na transformação social que é abrangente e inter-relacionada. Exigem a responsabilização e o cumprimento das responsabilidades e obrigações dos governos e instituições intergovernamentais e, portanto, procuram transformar as relações, estruturas e sistemas económicos e financeiros nacionais e internacionais.
Mais informações: http://www.apmdd.org/about
Contato: http://www.apmdd.org/contact

Campanha de Sobrevivência e Dignidade, Índia
(Campaign for Survival and Dignity)
Uma plataforma nacional de organizações de moradores de tribos e florestas em dez Estados que defendem a Lei dos Direitos da Floresta.
Mais informações: https://forestrightsact.com/about/
Contato: https://forestrightsact.com/contact-us/

Conversas sobre o clima, Singapura
(Climate Conversations)
Conversas sobre o clima é uma iniciativa que visa inspirar conversas significativas que levam as pessoas a cuidar do nosso ambiente e do nosso futuro. Mais informações: https://www.climateconversations.sg/
Doações: https://www.climateconversations.sg/donate

Centro de Recursos Costeiros, Índia
(Coastal Resource Centre)
O Centro, com sede em Chennai, visa fornecer apoio sustentado às comunidades costeiras para desafiar atividades destrutivas de desenvolvimento e combater o desenvolvimento insustentável, usando espaços democráticos para dissidentes e envolvimento proativo e, ao mesmo tempo, aumentar a resiliência dessas comunidades aos caprichos de um futuro incerto.
Mais informações: https://coastalresourcecentre.wordpress.com/about/
Contato: https://coastalresourcecentre.wordpress.com/contact-us/

Environics Trust, Índia
A Environics visa desenvolver soluções inovadoras e baseadas em evidências para os problemas de desenvolvimento comunitário, que respondem à diversidade e complexidade de ecossistemas e ambientes sociopoliticoculturais específicos .
Mais informações: http://environicsindia.in/category/activities/
Contato: http://environicsindia.in/contact-us/

Grupo de Apoio Ambiental, Índia
(Environmental Support Group)
O Grupo de Apoio ao Meio Ambiente trabalha com uma variedade de iniciativas de justiça ambiental e social na Índia e no mundo. Tratam de forma proativa as questões de justiça ambiental e social, colaborando entre setores e disciplinas, mantendo os interesses das comunidades locais afetadas pelo projeto e dos ecossistemas sem voz.
Mais informações: http://www.esgindia.org/about-us/index.html
Contato: http://www.esgindia.org/about-us/contact-us.html
Donativos: http://www.esgindia.org/about-us/what-you-can-do.html

Federação Nacional de Hawker, Índia
(National Hawker Federation)
A NHF é uma associação de vendedores de rua em 28 estados, com 1.188 sindicatos, incluindo 11 sindicatos centrais e mais de 20 sindicatos internacionais.
Mais informações: http://nationalhawkerfederation.com/
Contato: contact@nationalhawkerfederation.com

1 vLvhuifGxTHxDG45MSiKrg

Nirmanee Development Foundation, no Sri Lanka
(Nirmanee Development Foundation (NDF))
A missão da Nirmanie Development Foundation é contribuir para a sustentabilidade da sociedade, capacitando as pessoas a acreditarem na sua sabedoria e alternativas para a atual crise social e económica.
Mais informações: https://www.facebook.com/pg/Nirmaniefoundation/about/
Contato: nirmaneenimal@gmail.com

Movimento Filipinas pela Justiça Climática, Filipinas
(Philippines Movement for Climate Justice)
O PMCJ é uma ampla coligação nas Filipinas que trabalha com setores e comunidades vulneráveis para fazer campanha pela justiça climática.
Mais informações: https://www.facebook.com/ClimateJusticePH/
Contato: pmcj2012.sec@gmail.com

1 OwHHyhGZo3hI0nwpdzA2HA

Sociedade para Conservação da Biodiversidade do Pantanal, Nepal
Society for Wetland Biodiversity Conservation (SWBC)
Contato: swbc_rai@yahoo.com

Thanal, Índia
A Thanal é uma organização que trabalha para transformar o lado tóxico da agricultura em saudável através de empresas sociais que fornecem a milhares de consumidores o acesso a alimentos seguros e nutritivos, ao mesmo tempo que melhoram a qualidade de vida de centenas de agricultores. Eles têm uma campanha nacional Save our Rice e incentivaram milhares de agricultores em cinco estados a adotar práticas agrícolas ecológicas, conservar e cultivar variedades tradicionais de sementes de alta qualidade e garantir o fornecimento de arroz orgânico aos consumidores nesses estados. Thanal também administra um Centro de Resíduos Zero.
Mais informações: http://thanal.co.in/
Contato: admin@thanal.co.in

América Latina

Acción Ecológica, Equador
Grupo horizontal de ecologistas radicais desafiando o paradigma de desenvolvimento dominante e defendendo abordagens alternativas para responder a muitas questões da sociedade.
Mais informação: http://www.accionecologica.org/
Contato: informacion@accionecologica.org

Amazon Watch
Mais informações: http://amazonwatch.org/about
Contato: amazon@amazonwatch.org
Donativos: https://amazonwatch.org/donate

Asociación Indigena de Limoncocha, Equador
Contato: sucrecerda@gmail.com

Alter Vida, Paraguai
A Alter Vida trabalha para desenvolver e promover sistemas de gestão socioambiental com foco nos direitos humanos.
Mais informações: http://www.altervida.org.py/v4/
Contato: victorbenitez1@gmail.com | http://www.altervida.org.py/v4/#contacto

Censat Agua Viva, Colômbia
Mais informações: http://censat.org/
Contato: selvas@censat.org

Coletivo Viento Sur, Chile
Trata-se de um coletivo multidisciplinar, estruturado horizontalmente, que trabalha de forma holística em todo o Chile para ajudar na construção de uma sociedade sustentável e soberana.
Mais informações: http://www.colectivovientosur.org/
Contato: carolinalagos@hotmail.com, jobymolina@gmail.com

Fundaexpresión, Colômbia
Esta ONG promove o trabalho participativo de educação e investigação nas comunidades locais da Colômbia. Os seus objetivos são capacitar os grupos marginalizados para alcançar melhores condições de vida, organização social e conservação de seu patrimônio ambiental e cultural.
Mais informações: http://www.fundaexpresion.org/index.html
Contato: fundaexpresion@gmail.com

Grufides, Perú
Com sede na região de Cajamarca, no Peru, a Grufides trabalha em defesa dos direitos humanos e do meio ambiente, defendendo a economia solidária, práticas ecológicas sustentáveis, o direito à água, a equidade de gênero e o diálogo intergeracional.
Mais informações: http://www.grufides.org/paginas/sobre-grufides
Contato: http://www.grufides.org/contact

Campanha Internacional para Yasuní, Equador
(International Campaign for Yasuní)
Jovens guerreiros ecológicos que prometeram proteger o parque Yasuní, no Equador, da exploração de petróleo, defender a constituição e combater o patriarcado e o antropocentrismo.
Mais informações: http://sitio.yasunidos.org/en/
Contato: https://yasunidosinternational.wordpress.com/contact-us/ |
info@yasunidos.org
Donativos: https://yasunidosinternational.wordpress.com/support-us/donations/

Observatório de Conflitos Mineiros da América Latina (OCMAL)
Uma rede de vários grupos listados aqui, com foco em documentar conflitos de mineração na região.
Mais informações: https://www.ocmal.org/
Contato: https://www.ocmal.org/contactenos/

Observatório Petrolero Sur (OPSur), Argentina
Coordenadora latino-americana da rede Oilwatch, a OPSur trabalha em questões de energia, meio ambiente e direitos coletivos com uma abordagem holística. Defendem a transição para uma matriz energética alternativa sob uma estrutura de justiça ambiental e social e seguem três áreas de Territórios Livres do Petróleo, Soberania Energética e Justiça Ambiental.
Mais informações: http://www.opsur.org.ar/blog/english/
Contato: http://www.opsur.org.ar/blog/contacto/

Observatório Latino-americano de Conflitos Ambientais (OLCA), Chile
A OLCA aconselha comunidades em conflito, para melhorar suas capacidades de gestão e garantir seus direitos ambientais. Também monitoriza os conflitos ambientais, desenvolve ferramentas de gestão para eles e investiga e dissemina informações relacionadas com a proteção ambiental e os direitos dos cidadãos.
Mais informações: http://www.olca.cl/oca/index.htm
Contato: observatorio@olca.cl

Plataforma Boliviana frente al Cambio Climático, Bolívia
A Plataforma trabalha para desafiar o modelo de desenvolvimento predominante e produz pesquisas e materiais sobre economia verde, direitos dos povos indígenas e mineração, entre outras questões. Eles trabalham com comunidades em toda a Bolívia e também mantêm uma presença em espaços internacionais.
Mais informações: http://cambioclimatico.org.bo/
Contato: http://cambioclimatico.org.bo/website/index.php/content-layouts

TierrActiva, Bolívia / Colômbia / Perú
Esta rede regional emergente evoluiu de maneira diferente em cada país, mas está unida por uma visão central de “mudança de sistema, não mudança climática” e práticas de organização horizontal. O TierrActiva reúne jovens de diversas comunidades residentes na Bolívia, Colômbia e Peru:

Bolívia
Mais informações: http://www.tierractiva.org/klab/
Colômbia
Mais informações: https://www.facebook.com/tierraactivacolombia/
Peru
Mais informações: https://www.tierractiva.pe
Contato: tierractivaperu@gmail.com

*

Nós, que vivemos em Portugal e em outros países do Norte Global, temos uma grande oportunidade de ajudar os movimentos que realmente precisam isso. A transição energética global e a mitigação das alterações climáticas devem ser feitas de uma maneira justa. É importante capacitar aqueles que estão a lutar todos os dias nas lutas que eles não começaram.

Junta-te às organizações e aos coletivos existentes e faz parte da luta. Se não há nenhuma organização na tua cidade, forma uma. Fala connosco para saber mais.

*

Climáximo é um coletivo horizontal de ativismo climático. Temos reuniões abertas todas as semanas e muitas atividades para se envolver. Descubra mais no nosso site: climaximo.pt

Reunião Estratégica das Lutas pela Justiça Climática na Europa: um pequeno feedback

No fim de semana passado, 45 ativistas de 15 países europeus juntaram-se em Bruxelas numa reunião estratégica convocada pela 350. Falámos sobre “iconic fights” (lutas inspiradoras contra as infraestruturas de combustíveis fósseis, como a luta contra exploração de petróleo e gás em Portugal), campanhas distribuídas (campanhas que mobilizam as pessoas que não vivem nas linhas de frente e quando não houver uma dinâmica internacional como marchas pelo clima – por exemplo a campanha Empregos para o Clima), e sobre como pôr justiça no centro das nossas lutas.IMG_9031

Particularmente interessante foi a luta anti-fracking no Reino Unido, que tem uns 250 grupos locais(!). Recentemente fizeram ações diretas durante um mês inteiro: cada dia um outro grupo bloqueou um sítio diferente onde existe um (/potencial) furo de fratura hidráulica. Em breve teremos alguns ativistas a visitar-nos cá em Portugal e partilhar as suas experiências.

Também esteve presente o Ende Gelände, o coletivo alemão que organiza ações de desobediência civil com milhares de pessoas, em que ocupam uma mina de carvão simbólica. A próxima ação vai ser durante a COP-23 em Bona, e o Climáximo vai estar lá.

Camaradas da Itália apresentaram a luta popular contra o gasoduto TAP (Trans-Adriatic Pipeline, a última parte dum gasoduto entre Azerbaijão e Itália), e ouvimos também sobre o MidCat na Catalunha. As novas infraestruturas de gás natural é um assunto pouco discutido em Portugal, apesar dos planos de construção de 160 km de gasodutos entre Guarda e Bragança.IMG_9033

Finalmente, as conversas sobre justiça fizeram-nos pensar sobre inclusão. Vamos brevemente experimentar algumas ferramentas que podiam potencialmente ajudar a participação política das pessoas que não conseguem ir às nossas reuniões semanais.

Aproveitamos para convidar toda a gente preocupada com as alterações climáticas às nossas reuniões, terças-feiras às 19h30 no CIDAC.