Wrap-up: Marcha Mundial do Clima 2018

Parar o petróleo! Pelo clima, justiça e emprego!

Parar o petróleo! Pelo clima, justiça e emprego! from Climaximo on Vimeo.

 

No dia 8 de setembro, centenas de milhares de pessoas em 95 países dos 7 continentes (sim, Antártida também) saíram às ruas em mais de 900 acções na mobilização mundial “Rise for Climate”.

Em Portugal, 48 organizações juntarem-se para exigir um mundo livre dos combustíveis fósseis, em que as pessoas e a justiça social estejam acima dos lucros. Em Lisboa, Porto e Faro, centenas de pessoas marcharam sob o lema “Parar o petróleo! Pelo clima, justiça e emprego!”.


Em Lisboa, 800 pessoas marcharam com palavras de ordem “O mar é para surfar, não é para perfurar!“, “Empregos! Justiça! Clima!” e “Gás, carvão, petróleo. Debaixo do solo!”.

Os manifestantes exigiram:

  • uma transição justa e rápida para as energias renováveis;
  • zero infraestruturas de combustíveis fósseis novas: nem em Aljezur, nem em Aljubarrota, nem em lugar nenhum.

No Porto, mais de 200 pessoas marcharam da Praça de Liberdade até à Praça de Ribeira, a gritar bem alto “Muda o sistema, não o clima!”, “Fora, fora, fora daqui! Petróleo, gás, GALP e ENI!”.


No Algarve, 200 pessoas manifestaram-se em Faro. Algumas das palavras de ordem foram “Não ao furo! Sim ao futuro!” e “Somos natureza em auto-defesa”.


A verdadeira liderança climática nasce a partir das bases. Isto significa ver o poder nas mãos das pessoas, em vez das corporações; significa uma vida melhor para quem trabalha e justiça para as populações mais afetadas pelos impactos das alterações climáticas e pelas atividades das petrolíferas.

This slideshow requires JavaScript.


Mais fotos da marcha no Flickr:


A marcha na comunicação social:

Vais marchar este sábado? Algumas dicas

Este sábado, dia 8 de setembro, milhares vão sair às ruas, com nada menos do que 730 ações em 88 países já confirmadas. Em Portugal, vamos marchar em três cidades: Lisboa, Porto e Faro.

Neste documento:

  • Faixas e pancartas
  • Palavras de ordem
  • Fotos e vídeos durante a marcha
  • E depois?

Faixas e pancartas

Temos muitas faixas e pancartas contra os combustíveis fósseis, as petrolíferas e capitalismo, e pelo clima, justiça e emprego. Todos estes materiais foram produzidos colectivamente nas sessões de preparação. Ajuda-nos transmitir as reivindicações da marcha e segura a faixa que gostas mais.18157449_433983493639269_7963512542226385232_n

Podes também desenhar e levar o teu pancarta com a mensagem que querias partilhar com outros manifestantes e com o público geral.

Palavras de ordem

Algumas palavras de ordem estão aqui: Gritos clima v2 . (Entretanto, a malta do Porto também preparou um outro ficheiro: Pregões para a marcha_porto) Vamos ter algumas pessoas com megafones a dinamizar a marcha. Traz a tua energia (renovável) e partilha a tua força com tod@s. A marcha é um espaço político popular para manifestarmos-nos e reivindicarmos um planeta justo e habitável.

Novas ideias também são sempre bem-vindas.

Fotos e vídeos durante a Marcha Mundial do Clima

Queres ajudar na produção de imagens da marcha? Vais andar com a tua câmara durante a marcha e gostarias de partilhar as tuas fotos com toda a gente?

Aqui ficam algumas dicas.40854031_1073181206196906_6329690271315394560_n

Temos duas checklists em inglês para te ajudar preparar.
Checklist for taking photos in actions
Checklist for filming in actions and events

Se quiseres partilhar as tuas fotos nas redes sociais, usa o hashtag #RiseforClimate . (Não te esqueças de tornar os teus posts de Facebook públicos, senão só os teus amigos terão acesso a estas fotos.)

  • Vamos criar um álbum de imagens das marchas. Logo no dia 8 à noite, envia as tuas fotos preferidas para marcha8set [-at-] salvaroclima.pt. É essencial que as envies logo que possas, porque vamos compilar as fotos para ter o álbum pronto no domingo de manhã.
  • Vamos também fazer um pequeno vídeo das três marchas em Portugal. Envia todos os teus vídeos logo no dia 8 à noite para marcha8set [-at-] salvaroclima.pt. É essencial que os envies mal possas, porque vamos editar o vídeo para ser publicado logo no domingo.

E depois?

Em Lisboa e no Porto, estamos a preparar Formações em Ativismo Climático para (ré-)lançar atividades e organizar novas ações. Para teres alguma ideia, podes explorar Parar o Furo, Empregos para o Clima e Virar a Maré.

Em Lisboa, logo à seguir a marcha, temos uma conversa às 21h00 no Mob: Política climática de bases: conversa sobre a campanha Empregos para o Clima em Portugal

Segue o nosso site e página de Facebook para mais detalhes e novidades.

Portugal junta-se à Marcha Mundial do Clima em três cidades no dia 8 de setembro.

Marchas em Lisboa, Porto e Faro exigem que não se inicie a exploração de combustíveis fósseis e se faça uma transição justa e rápida para energias renováveis.

No próximo dia 8 de setembro, às 17 horas, marcaremos presença em Lisboa, Porto e Faro na Marcha Mundial do Clima sob o lema “Parar o petróleo! Pelo clima, justiça e emprego!”. Juntamo-nos à mobilização internacional “Rise for Climate”, que unirá milhões de pessoas em centenas de cidades por todo o mundo.

Exigimos uma transição justa e rápida para energias renováveis que vá ao encontro ou supere os compromissos governamentais de Portugal ser neutro em carbono até 2050 e que cumpra os compromissos a que se vinculou com o Acordo de Paris. Exigimos que não se criem novas infraestruturas de combustíveis fósseis em Portugal. Não faz sentido iniciar um ciclo de investimentos baseado numa economia do passado prejudicando o clima quando o país se comprometeu com o contrário. Por isso dizemos não aos projetos de petróleo frente a Aljezur, de gás em Aljubarrota e em outras zonas concessionadas ou passíveis de o ser.

Em Portugal, as marchas são organizadas no âmbito da iniciativa Salvar o Clima, que conta já com a subscrição de mais de 40 organizações de ambiente, movimentos cívicos, sindicatos e partidos políticos.

Em Lisboa e Faro, estão previstos breves discursos por parte de algumas organizações no final da marcha. No Porto, os discursos serão proferidos antes do início da marcha.

*

Contexto

Portugal tem sido severamente atingido por secas, vagas de calor, e incêndios descontrolados. A nossa floresta, o maior sumidouro de carbono que possuímos tem vindo a ser destruída. Os nossos compromissos com o Acordo de Paris e com a neutralidade carbónica até 2050 espelham uma profunda contradição com as intenções de abrir o país à exploração de combustíveis fósseis.

Esta contradição tem de ser urgentemente invertida em prol da vida na Terra e não de perspetivas irrealistas de retorno económico, retorno este muito inferior aos possíveis impactes locais e aos garantidos impactes globais.

Mesmo num período da nossa civilização em que por vezes surgem informações falsas e populistas, a verdade é que o consenso científico demonstra as evidências irrefutáveis das alterações climáticas. Estas evidências estão infelizmente a tornar-se parte do nosso quotidiano, e lentamente constatamos uma mudança do clima com consequências dramáticas desde já, e principalmente para as próximas gerações, afetando múltiplos domínios da nossa sociedade.

Os efeitos fazem-se sentir cada vez mais e a velocidade com que a gravidade e intensidade destes se manifesta é cada vez maior. Conceitos como “planeta mais quente” estão rapidamente a ser substituídos pela noção de “planeta inabitável”.

Estamos progressivamente a perder a luta contra o tempo para salvarmos o nosso planeta. De acordo com estudos recentes, há um risco crescente de atingirmos um ponto a partir do qual o sistema Terreste ficará permanentemente instável, passando este a acelerar as alterações climáticas ao invés de as atenuar.

Com a intensificação dos impactes das alterações climáticas, chegámos ao momento em que temos de ir bem para além do que as negociações internacionais podem oferecer.

Juntos podemos mobilizar-nos para a construção de uma liderança climática e criar o momento certo para assegurar uma transição energética para um mundo sustentável e equitativo. Para atingir isso, comunidades do todo o mundo vão liderar e assegurar a transição justa e rápida para energias 100% renováveis para todos, ao mesmo tempo que param todos os novos projetos de exploração de combustíveis fósseis.

A Marcha Mundial do Clima marcará o passo dos próximos eventos políticos, e mostrará aos nossos líderes qual a resposta que queremos para a realidade da crise climática

*

A iniciativa n’ 1 minuto:

Quem? |Mais de 40 organizações (ONGs, movimentos locais, sindicatos, partidos)

O quê? | Marcha Mundial do Clima

Onde? | LISBOA: Cais do Sodré | PORTO: Praça da Liberdade | FARO: Largo da Sé

Quando? | 8 de setembro, sábado, 17h00

Porquê? | “Parar o petróleo! Pelo clima, justiça e emprego!”

*

Informações:

Mobilização internacional: www.riseforclimate.org

Organizações promotoras em atualização e Convocatória: http://www.salvaroclima.pt

general 2018

Climáximo convoca para a Marcha Mundial do Clima 2018!

Olhar, ver e encarar: o nosso Papel na Resolução do Paradigma Climático

A vitória da suspensão do furo de petróleo em Aljezur veio confirmar não só que conseguimos a união necessária, como também que há ainda esperança de impedir os novos furos que se avizinham no horizonte. Esta luta ainda está a começar! Actualmente restam ainda cinco contratos de petróleo e gás em Portugal, que não fazem sentido no caminho que queremos definir para todos nós. É imperativo que tracemos um futuro juntos para o país e o planeta, onde os combustíveis fósseis não tenham lugar, onde não haja investimento numa indústria que nos traz como consequência poluição, desperdício e a perda futura da nossa qualidade de vida.

Já neste ano temos experienciado ondas de calor fulminantes na Europa, Norte de África, Japão, Paquistão, Austrália e Argentina, incêndios devastadores na Grécia, Suécia, Estados Unidos e na Rússia; secas severas no Quénia e na Somália; escassez de água no Afeganistão e na África do Sul; tempestades violentas e cheias no Havai, Índia, Oman e Iémen; assistimos ao bater de recordes no degelo no Mar de Bering. É o quadringentésimo mês seguido que se verifica temperaturas globais acima da média. Temos que olhar ao que está a nossa volta. E intuitivamente sabemos que tudo está a acontecer. Não há tempo a perder.

Devemos agir, por nós, pelos nossos descendentes, pelas nossas famílias e mesmo por quem não conhecemos na nossa esfera. Nesta Marcha Mundial do Clima, iremos marchar pelo Clima, Justiça e Emprego, e manifestar-nos contra a precariedade laboral e climática. Só na nossa união por este estandarte comum é possível conseguir/atingir justiça climática e social.

Junta-te a nós nesta marcha e vamos juntos mudar o mundo.

general 2018

Artes e Cultura pelo Clima

Mira Forum, Rua de Miraflor 155, Campanhã, Porto

4 de setembro, 19h00

No âmbito da campanha Empregos para o Clima, dezenas de organizações juntam-se agora para organizar esta Marcha, integrada no dia de ação global “Rise for Climate” (www.riseforclimate.org). Assim, unimo-nos a organizações de todo o planeta, para exigir um mundo livre de combustíveis fósseis em que as pessoas e a justiça social estejam acima dos lucros. Convocatória e a lista das organizações subscritoras em http://www.salvaroclima.pt . O Mira Forum solidarizou-se com este apelo.

O lema é: Parar o petróleo! Por clima, justiça e emprego!

São importantes todas as expressões artísticas na comunicação e na mobilização dos vários domínios do saber, na relação que estabelecemos com o mundo através da experiência dos sentidos e ainda na construção de uma dimensão do real através de um constante processo de criação no caminho do exercício da cidadania. Vimos convidar-vos a a participar nesta Marcha na cidade do Porto, utilizando – caso o desejem – momentos das formas de expressão artística e/ou cultural que habitualmente praticam.

[usamos o cartaz de Teleise Neemia Lesa, Rise for Climate]