Sessão Caótico-Climática no Espaço Santa Catarina

[Integrada na exposição ISHTAR, corrida dos opostos]

Os factos são bem conhecidos e consensuais: o aquecimento global antropogénico é uma realidade; é imperativo manter o aumento de temperatura abaixo dos 2ºC; é preciso para isso manter 80% das reservas fósseis no subsolo, ou em 40 anos teremos 150 MILHÕES de refugiados climáticos – cento e cinquenta milhões, um 15 com seis zeros à frente…

Sabemos ler. E contar. Mas espera… sabemos compreender?

Difícil. O que significa uma massa humana de 150 milhões ser forçada por catástrofes metereológicas, pragas, secas, inundações a deixar tudo e rumar sem posses ao desconhecido?

Fenómeno psicológico interessante: sabemos os factos, aceitamos os factos. Mas não chegamos a entendê-los.

Assim, esta sessão não vai focar-se nos factos, mas na experiência, no exercício imaginativo: o que os factos significam. Abre a mente e a imaginação e vem participar numa experiência caótico-climática.

Sabemos que vai valer a pena.

Espaço Santa Catarina
Largo Dr. António de Sousa Macedo 7D, Lisboa

Dia 6 de abril, 17h00

Advertisements

21 de novembro – Oficina de Ilustração: Alterações Climáticas

Oficina_ilus_cartaz

Ainda há muito a acontecer em 2015. Incluindo um suposto novo “acordo” mundial para combater o aquecimento global, este dezembro em Paris, que nem sequer fala de “combustíveis fósseis”. Pois… Contra este simulacro ridículo de acordo, Lisboa vai marchar com o resto do mundo a 29 de novembro.

Tu vens marchar? Ou se calhar não sabes nada destas questões… Não faz mal. 🙂 Vem antes então desenhar connosco! Vamos partir do problema climático para produzir lindos desenhos.

Três artistas vão facilitar esta oficina de ilustração. Traz lápis de cor e pincéis que tenhas em casa, que nós tratamos da inspiração 😉

Inscrição (gratuita) em climaximo[at]riseup.net

21 de novembro
15h30
Zona Franca dos Anjos: Rua de Moçambique, 42, Lisboa

O evento no Facebook, aqui.

Keep-the-Coal-in-the-Hole

22 de setembro – Os Reacionários do Clima: “Chega de mudanças climáticas!”

rda cartaz 22sep

Os factos são bem conhecidos e consensuais: o aquecimento global antropogénico é uma realidade; é imperativo manter o aumento de temperatura abaixo dos 2ºC; é preciso para isso manter 80% das reservas fósseis no subsolo, ou em 40 anos teremos 150 MILHÕES de refugiados climáticos – cento e cinquenta milhões, um 15 com seis zeros à frente…

Sabemos ler. E contar. Mas espera… sabemos compreender?

Difícil. O que significa uma massa humana de 150 milhões ser forçada por catástrofes metereológicas, pragas, secas, inundações a deixar tudo e rumar sem posses ao desconhecido?

Fenómeno psicológico interessante: sabemos os factos, aceitamos os factos. Mas não chegamos a entendê-los.

Assim, esta sessão não vai focar-se nos factos, mas na experiência, no exercício imaginativo: o que os factos significam. Abre a mente e a imaginação e vem participar numa experiência caótico-climática.

Sabemos que vai valer a pena.

***

2014 foi o ano mais quente de que há registo. Desde o início do milénio registaram-se os 10 anos mais quentes de sempre. O último relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas não deixa dúvidas: se continuarmos a emitir gases ao ritmo actual, em 2100 a temperatura terá aumentado pelo menos 4ºC a nível global. Na região do Mediterrâneo a temperatura já aumentou 2ºC desde 1970. Que fazer?

Em Dezembro de 2015 realizar-se-á a Conferência do Clima em Paris e é importante perceber que a continuarmos no actual rumo, poucos ou nenhuns compromissos serão atingidos. Nós, os de baixo, precisamos de ter um clima habitável. São os pobres que sofrerão o impacto máximo das alterações climáticas.

Não há maneira de escaparmos ao que já é uma realidade: temos de reduzir as emissões de gases de efeito de estufa em 80% ao nível mundial para evitar um aumento de 2ºC da temperatura global, o que alteraria drasticamente as condições de habitabilidade para milhões de pessoas em todo o planeta.

Com a crise financeira, o ambiente e o clima desapareceram da agenda pública, da agenda social, dos movimentos sociais. Precisamos recuperar a sua centralidade e construir de baixo respostas e propostas para travar o Clima Máximo. É um dos maiores desafios da nossa vida e da História da Humanidade. Vamos a ele!

O evento no Facebook, aqui.